NEC quer mudar e investe em big data no Brasil

Recém-empossado como presidente da NEC Brasil, Daniel Mirabile, ex-Nokia Siemens, sabe os desafios que enfrenta na jornada. Uma delas é a mudar o modelo de atuação. E uma das grandes apostas é o big data, que começa a ganhar impulso no dia a dia das teles nacionais, revela o executivo em entrevista à CDTV, do portal Convergência Digital, concedida durante o Futurecom 2014.

No Japão, lembrou o executivo, a NEC comprou os dados de uma grande operadora móvel. A ideia era saber como a massa de pessoas se movimentava em Tóquio. Com a análise de dados foram detectados vários gargalos no transporte público.

“Não temos dado pessoal do assinante, mas o celular é quase um GPS pessoal. Com os dados foi possível ver soluções mais eficientes para o transporte”. Com relação à privacidade, Mirabile lembra que não há análise pessoal e lembra: cidades inteligentes são cidades mais humanas, baseadas em uso eficiente das TICs. A atuação em novos mercados tem um objetivo: aumentar a lucratividade da empresa no Brasil.

Mirabile conta que a NEC Internacional traçou uma meta para ampliar a sua receita vinda de fora do Japão, inicialmente para 16%, e depois para até 23%. “Queremos duplicar ou triplicar nossas vendas no Brasil em três anos. A receita da NEC Brasil hoje é 70% das operadoras e os 30% restantes se dividem entre os setores público e enterprise. Precisamos crescer muito em governo e junto aos fornecedores do governo, como uma OAS, Odebrech”, sustenta Mirabile.

 

Fonte: UOL