A virtualização está reformando a rede

Funções de virtualização de rede apontam para reduzir sua complexidade ao diminuir a dependência de negócios em hardware. A rede está mudando. Ou para ser mais específico, a maneira como controlamos nossa rede está mudando. As funções de rede estão sendo alteradas para aumentar os controles definidos de software virtualizados que eram previamente dominados por um proprietário de hardware.

Essa tendência está se aglutinando e sendo propagandeada por meio do rótulo NFV (network functions virtualisation). O conceito de NFV foi proposto por um grupo de serviços de rede que contemplaram uma saída para diminuir a quantidade de proprietários de hardwares que precisavam criar e operar serviços na rede.

Isso significaria que as funções de rede anteriormente executadas e gerenciadas por um núcleo de “suspeitos normais” de elementos de redes como roteadores, firewalls, balanços de carregamento e controles de entregas de aplicações, agora podem ser gerenciadas por máquinas virtuais (VM).

Em termos de implementação, o NFV se tornará a responsabilidade de gerentes de redes, administradores de sistemas seniores, e profissionais experientes de desenvolvimento e operação, arquitetos de sistemas de softwares e outros. No entanto, o NFV é inegavelmente destacado diferentemente de princípios anteriores de rede; os componentes e ingredientes são os mesmos, mas a receita e os mecanismos mudaram. Os laboratórios experimentais de “prova e conceito” são, quando possíveis, a melhor maneira para começar a aprender como transformar o NFV em produções ativas.

O software-defined networking, especialmente quando é baseado em OpenFlow, tem o potencial de multiplicar os benefícios do NFV. Em muitas maneiras, o NFV é uma reposta lógica aos serviços de comunicações fornecidos para aumentar a flexibilidade de recursos e aos fornecimentos de serviços em nuvem em um passo muito mais distribuído e localizado. Assim sendo, fornecedores de serviço de nuvem assumiram um papel como um exemplo do que pode ser feito com uma infraestrutura padrão, virtualizada e automatizada.

O NFV está ainda em uma fase inicial de crescimento, mas suas capacidades para um fornecimento dinâmico de serviços de rede, proteção de firewall, podem gerar um grande impacto na agilidade de serviços de TI, redes e nuvens antes do fim da década.

Fonte: Broad Tec